Tomando posse

Padrão

Passei exatamente 1 semana doente: primeiro veio uma gripe forte na sexta e depois, na sexta seguinte, enjoo e uma forte dor estomacal, provavelmente por causa da comilança da festa julina na escola embaixo do sol. Na primeira vez pude faltar o trabalho. Na segunda não deu pra escapar, mesmo que além das dores ainda estivesse com coriza, muco, tosse, etc, etc … E no tal dia, fui pra terapia. A terapeuta, depois de ouvir mais um desabafo, sugeriu: será que esse monte de mal estar não tem a ver com o seu emocional? o_O

Mas é claro que tem! Como sempre teve!! Sempre piorei das crises de rinite diante do estresse. Sempre tive problemas gastrointestinais diante da ansiedade.

Diante do “diagnóstico”, a receita: relaxar e pensar em mim mesma e nas coisas que gosto de fazer. E arte! Voltar para a arte!

Então acordei no sábado, disposta a fazer tudo isso. Não foi muito fácil esquecer todo o estresse que eu venho passando (quando isso vai acabar hein?!), mas me esforcei. Me segurei para não pensar muito em trabalho (devendo planejamento bimestral) e outras coisinhas mais. Procrastinei demais, e vi uns dois filmes: “Not Another Teen Movie” (me julguem!) e “The Mortal Instruments: City of Bones” (que é tão ruim que vai merecer um post-crítica só sobre ele, aproveitando pra lançar um tipo de post que não costumo fazer). Diana pedindo muito carinho, mas tadinha … minha filha-felina ficou meio de lado porque eu PRECISAVA me resgatar. Fui dormir, com uma sensação nada boa de que faltava algo.

E aí chegou o domingo.

IMG_20140803_081025525[1]

Normalmente odeio domingos. Mas por causa de uma troca de lençol na janela do quarto (estou na casa do meu pai, e ele não colocou cortinas ainda) para um mais fino, por volta das 6h30 já estava acordando com a claridade. Às 7h30 meu pai ligou pedindo para abrir uma porta trancada. Não consegui dormir mais. Esperei o suficiente para estar só de novo, quando ele saísse para a praia, e levantei. Os sintomas da “gripe” tinham diminuído 90%. As dores estomacais sumiram e com ela a fome. Tomei um bom café da manhã, arrumei o que tinha que arrumar na casa, ajeitei as coisas da Diana e fui para a varanda tomar sol e fazer o que eu estava devendo: arte. Lá tem uma orquídea novinha, linda de se desenhar. Mas eu estava com o celular na mão. E resolvi fotografar um ninho de passarinho na samambaia. E dali pulei pra fotografar a Diana (de novo, vira vício … adote um bicho e entenderá). Gostei tanto do resultado que lembrei de uma fala da Flávia (a terapeuta): do que você gosta? Desenho, pintura, fotografia …? Putz, faz um tempo que morro de vontade de investir em uma câmera semi-pro. Eu nem acho que tenho um p* olho pra fotografia, mas eu gosto. E uma câmera minimamente decente me ajudaria bastante. Mas eu não tenho ainda … foi na câmera do celular mesmo (só pra constar, um Moto G … a câmera principal às vezes dá pro gasto).

IMG_20140803_101240934IMG_20140803_101319395_HDR

IMG_20140803_101523182    IMG_20140803_101606062

Mas percebi que me vi fotografando as mesmas coisas de sempre, na varanda. Na torre. No enclausuramento. Senti um ímpeto gigante de sair correndo e fotografar outras coisas. Olhei para o céu azul como não olhava há muito tempo e lembrei o quanto estou perto da praia. E aí troquei de roupa, dei um beijo na filha-felina e saí.

E caminhando lembrei que não fazia isso há um bom tempo. Há longos anos não ia à praia com tamanho prazer. Eu “parei de gostar” de praia quando tinha uns 16 anos mais ou menos. Entrei numa fase nova e a praia foi esquecida. Porque achava que não cabia. Quando ia à praia e mais tarde quando vinha até o bairro do Recreio dos Bandeirantes, era pra agradar e visitar meu pai e minha irmã. Eu achava que não gostava mais. Ilusão. Voltas e voltas na vida, ainda vinha por vários motivos, menos o mais antigo e primitivo.

Agora estou aqui de novo, por necessidade. E percorrendo sozinha o caminho até a praia, reparei em algo. Caramba … isso aqui é meu! Há 29 anos isso tudo aqui é meu! É minha herança. Frequento este lugar desde quando ainda estava no ventre de minha mãe. Porque eu me afastei?

Bom, aqui estão as fotos do resgate. Já tirei fotos parecidas há pouco tempo, mas nenhuma delas tem o poder e emoção que as de hoje têm. Também tem as fotos do caminho de volta e da decisão de não esquecer de mim além da praia. Espero que gostem. 🙂

IMG_20140803_104848497[1]    IMG_20140803_105030624[1]

IMG_20140803_110657958

IMG_20140803_111211123[1]

IMG_20140803_110641984

IMG_20140803_110935452     IMG_20140803_110745903_HDR

IMG_20140803_112717499     IMG_20140803_124226886

IMG_20140803_124234333_HDR     IMG_20140803_124248613

IMG_20140803_140123999     IMG_20140803_145109132_HDR

Para fechar, recomendado pela amiga Graciele e que tem tudo a ver com meu caminho:

Noite sem Lua, Mestre Toni Vargas

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s